Artes Visuais, Arteterapia, Artigos, Artigos e Notícias, Artigos Publicados, Jornal O Serrano

Miscigenação de nossa Páscoa: Pessach, Deusa Ostara e Cacau Maia

Neste divertido artigo, o Artista Visual e Psicanalista, Henrique Vieira Filho,  trata do sincretismo de tradições culturais anglo-saxãs, com a Deusa Ostara, da judaíca, com a “Pessach”, chegando à Páscoa cristã com os ovos de cacau sagrado maia e asteca.

Publicado resumido no Jornal O Serrano, Nº 6298, de 01º/04/2022.

DOI: https://doi.org/10.5281/zenodo.6409673

Óleo sobre tela: Deusa Ostara, enraizada na primavera, ladeada por ovos Fabergé e coelhos origamis
Óleo sobre tela: Deusa Ostara, enraizada na primavera, ladeada por ovos Fabergé e coelhos origamis

E Coelho Bota Ovo?

Sim, bota ovo SE ele for vítima das brincadeiras da deusa Ostara!

Para divertir crianças, transformou uma ave em coelho e este presenteou com ovos coloridos.

Também conhecida como Eostre, é a milenar deusa primaveril anglo-saxã, origem das tradições de coelhos e ovos, símbolos da fertilidade.

Por isso, até hoje, a Páscoa e os ovos são chamados, respectivamente, de “Ostern” e “ostereier” (em alemão) e “Easter” e “easter eggs” (em inglês).

No hemisfério norte, a Páscoa ocorre no início da primavera, o que simplificou a migração desta tradição “pagã” para a cristã, por meio do Concílio de Nicéia, em 325 dC, que unificou a celebração da ressurreição de Cristo.

Comemorada no primeiro domingo após a lua cheia do final do equinócio (quando o dia e a noite têm a mesma duração) de primavera, era a data de Ostara e “coincide” com a “Pessach” (do hebraico; significa “passagem”), tradição milenar que celebra a libertação dos hebreus.

Com o tempo, a ornamentação dos ovos passou a incluir imagens de Jesus e Maria. 

Membros da realeza europeia providenciaram versões em ouro incrustado com pedras preciosas.

Surgiram variações em madeira, porcelana, vidro e metal, com surpresas em seu interior, peças estas que serviram de inspiração para os famosos ovos Fabergé. 

Para o povo, opções singelas, nas quais os ovos recebiam recheios doces, inclusive, o chocolate, o qual, graças à evolução da culinária francesa, chegou ao século 19 substituindo integralmente até a casca.

Em mais uma miscigenação cultural, devemos isto aos maias e astecas, com seu “alimento dos deuses”: o Theobroma cacao (Theo = deus; broma = alimento; cacao = cacahualt – nome regional do fruto).

O cacau era sua moeda para trocas, sendo daí a origem de uma moderna gíria brasileira.

Quando Cristóvão Colombo chegou à região do atual México, os nativos vendiam coelhos por 10 sementes de cacau. Se ele fosse comprar, nos dias de hoje, 01 kg de ovo de Páscoa, teria que desembolsar umas 50 sementes!

Com o preço atual, nem Colombo consegue colocar o ovo em pé!

Vídeo – Processo criativo da obra “ Ostara – The Goddess of Spring”

O artista Henrique Vieira Filho conta a história da Deusa Ostara e os ritos de primavera

Humor: Odin, Jesus e Ostara se encontram na festa da primavera

Making of – Processo criativo para a pintura. 
Modelo: Andreia Saito – Fotografia e artes: Henrique Vieira Filho

Making of – Processo criativo para a pintura.
Modelo: Andreia Saito – Fotografia e artes: Henrique Vieira Filho

Cite as

VIEIRA FILHO, Henrique. (2022). Miscigenação de nossa Páscoa: Pessach, Deusa Ostara e Cacau Maia. O Serrano, CXIV(6298). https://doi.org/10.5281/zenodo.6409673 / https://henriquevieirafilho.com.br/miscigenacao-de-nossa-pascoa-pessach-deusa-ostara-e-cacau-maia

  • Artigos
Henrique Vieira Filho Administrator

Henrique Vieira Filho é artista plástico, agente cultural (SNIIC: AG-207516), produtor cultural no Ponto de Cultura “Sociedade Das Artes” (SNIIC: SP-21915), diretor de arte, produtor audiovisual (ANCINE: 49361), escritor, jornalista (MTB 080467/SP), educador físico (CREF 040237-P/SP), terapeuta holístico (CRT 21001), professor de artes visuais e sociologia, pós-graduado em psicanálise e em perícia técnica sobre artes.

http://lattes.cnpq.br/2146716426132854

https://orcid.org/0000-0002-6719-2559

follow me

Deixe um comentário